POESIA NOS 400 – Os cabos de guerra da poesia da São Luís contemporânea

[Texto publicado no SUPLEMENTO CULTURAL & LITERÁRIO JP GUESA ERRANTE ANO X, Edição 281, 8 de setembro de 2012 , p. 8 e 9 – Sábado, e no site http://www.guesaerrante.com.br/2012/9/27/poesia-nos-400—os-cabos-de-guerra-da-poesia-da-sao-luis-contemporanea-4400.htm, de minha autoria, apesar de não constar a autoria na página do site.]

Image

SLZ 400

onde
um pequenino
ri
olhando
para o
céu
ali
está
Deus

(Antonio Aílton)

Muitos anos depois de dezenas de poetas-gênios e inventores, grandes mestres da poesia, diluidores, grandes escritores, bons escritores sem qualidade e cometedores de versos (não necessariamente nessa ordem), esta São Luís, que, de autodenominada “Atenas Brasileira”, não sem empáfia, e hoje está em fase de despedida de também ser Jamaica Brasileira para ser “Cidade de Deus”, insiste, todavia, em conservar nalgum beco de seu ventre a experiência do poético que se pode revelar numa esquina, na boca de um menino que toma para si um velho espírito, a qualquer momento.

A experiência do poético é, sem dúvida, um dos traços característicos que permanece em nós, sem exclusividade de grupos ou segmentos. Essa experiência, coletiva, não está apenas na chamada cultura erudita, a qual é agora rechaçada pelos dissimulados, pretensamente corretos, como cultura burguesa, de elite, de poucos. Que o é, realmente, embora isso não devesse ser assim, enviesado, e apesar de que muitos dos que fazem essa cultura venham das brenhas mais humildes. Mas os culpados pela mutilação cultural e pela sonegação da plena educação do povo são bem conhecidos.

E onde está essa experiência coletiva do poético? Dizem as cantigas de Bumba-meu-boi, de um lado: “se não existisse o luar, o homem viveria na escuridão” (Chagas da Maioba); e de outro lado, invocando a mesma lua da inspiração nativa, cantam: “Ô lua, (…) teu brilho, quando vem surgindo, vai transluzindo o couro do nosso Boi.” ((Humberto de Maracanã). E sob essa mesma lua, as coreiras incendeiam em roda, o corpo iluminando os tambores. Todos esses segmentos são vasos comunicantes que resultam no espírito do lugar, numa atmosfera que exulta e impregna, que é explorada politicamente, economicamente, turisticamente, midiaticamente, propaladamente, sem que haja políticas sérias de investimento que, ao invés de tratá-los como “retorno” ou “não retorno” de votos, como coisas contraditórias, “fundo perdido” (segmento literário), percebam o potencial para a cidade, em si, dos braços que se dão, do enredo, do entrecruzamento de todos os fios, como experiência coletiva nossa, singular, que faz crescer a todos.

É dentro dessa experiência que também se ordenam gerações e gerações que fazem a poesia e o ethos da cidade, São Luís, e do estado, o Maranhão. E, malgrado as opiniões em contrário, e apesar deste mergulho rápido e vertiginoso da sociedade no universo da imagem e da tecnologia, pressupostamente contrário à poesia conforme a conhecemos, ela permanece forte, e mais uma geração se estabelece sem alarde.

Há não muito tempo, alguns viam no embate com o passado a chave não só para estabelecer radicalmente uma nova arte, mas sobretudo para chamar a atenção para si, para demarcar seu espaço e sua existência no mundo: a castração ou degola do grande pai, para falar simbolicamente, mesmo quando o que mais importava era mostrar a novidade da festa.

Nas atuais condições a que chegamos com a literatura, da apropriação e do dialogismo contemporâneos, de hipertextos e redefinições, de instantaneidades, acessos espaciais e recuperação do remoto e do desconhecido, e em que se faz a todo instante, aqui e alhures, “movimentos de retorno e de transtorno” (Flora Sussekind), acentua-se o fato de que o movimento de escritura é também movimento de leitura e vice-versa (não significando aí, que fique claro, aceitação de discurso ou leitura passiva). À exceção de poucos que ainda pensam nalgum rapapé inaugural e elaboram manifestos pastichosos , muitos concordam que esse tipo de espetáculo faz parte hoje de um pensamento anacrônico, desde que a história já deglutiu as famosas vanguardas, do futurismo e do dadaísmo à pop art, exaustivamente. Assim, a turma que recebe o legado nesta culminância dos quatrocentos anos desta cidade de poetas se impõe não com trombetas e festins, ou com tapetes que lhe estendam.

Essa geração vem abrindo caminho com sua competência, com a qualidade do seu trabalho, com sua leitura, e com seu respeito pela experiência poética que outros vieram erguendo, com luta e suor, às vezes com desespero e desamparo.

Aí está a incompreensão que, com raios de maniqueísmo, gira em torno daqueles que estão deste lado do cabo de guerra, de muitos acharem que não se produz mais nada, que a luz se apagou, que não se escreve mais como antigamente, isto é, como “no tempo dos gênios”, e que a última grande poesia possível já se esvai com a luz gasosa dos lampiões, com os prédios deixados à mercê de seu esboroar. Ora, esta geração, chamada muitas vezes de austera, esta geração que, no geral, sem lastro econômico, é feita por aqueles que se enroscam na esquizofrenia do trabalho e arrancam das demandas cotidianas e familiares momentos para poder criar, avança ficando as estacas do seu talento, e há de ficar.

A experiência poética e a experiência do poético não é, nesse caso, uma questão de exclusividade nem de disputa de forças: não é o que nos separa, no cruel exílio desta Ilha, é o que nos une. O contrário disso não passa de ciúme besta. E, neste sentido, todos têm algo a dizer, porque um excelente poema, havendo condições para isso, pode ser feito em qualquer idade, a qualquer idade (disto não precisa levantar provas); neste sentido, todos temos o musgo das velhas galeras e a juventude de quatrocentos anos, agora, que navegar e viver ganham um novo e surpreendente sentido.

****

A responsabilidade declaradamente escamoteada deste texto é a de correr um tremendo risco, elencando nomes que engendram o cenário da poesia maranhense atual, ou, mais precisamente, da poesia maranhense contemporânea, e dele compartilham. Neste caso, toda lista padece do mesmo problema sempre por nós execrado: o de deixar de fora quem deveria, poderia, ou sente que teria que estar, uma vez que é feita por alguém que não conhece nem tem condições de conhecer todos. Por outro lado, quem é convidado não tem obrigação de permanecer… É preciso pensar, portanto, numa espécie de rol exemplar (ver páginas 4 a 6, seguintes), no qual, quem não é mencionado possa ao menos ser representado, e quem é listado sinta-se num elo que liga as possibilidades às fragilidades do ser humano.

Indubitavelmente, quatro grandes nomes têm sido mencionados como representantes da poesia maranhense mais recente, que têm fortes elos temáticos e formais com esta São Luís do Maranhão e que nos repassam sua experiência poética: Nauro Machado, José Chagas, Ferreira Gullar e Bandeira Tribuzi. Este último, dormindo já a paz do poeta justo. Eles determinaram em definitivo, conforme podem ser observados na leitura de sua obra, pelo menos três vetores para a nossa poesia: um lirismo másculo e visceral (Nauro); uma poética do memorial local aliado à interrogação da temporalidade existencial (Chagas, Tribuzi); a objetividade cosmopolita do cotidiano social atravessado pela contestação poética (Gullar, Tribuzi). Some-se a esses nomes, o de Lago Burnet, Déo Silva, José Maria Nascimento, Manuel Lopes, Manuel Caetano Bandeira de Mello e outros.

A poeta e romancista Arlete Nogueira da Cruz, a maior representante e mulher que contribuiu grandemente com a geração acima, aponta, em seu Nomes e nuvens (Unigraf, 2003), outra geração que se firma entre os anos 1970 e 1980, e que está na plenitude de sua produção, madura. Rica de nomes e de direcionamentos, mas todos respirando os novos confrontos impostos por circunstâncias e transformações radicais que vão do local e do nacional ao global: expansão e descentramento da cidade, derrocada e morte do militarismo, liberdade de pensamento, noção de uma “aldeia global”, tecnologização crescente, aumento da violência urbana e aparecimento da massa abandonada nas ruas. Luís Augusto Cassas, Cunha Santos, Raimundo Fontenele, Viriato Gaspar, Chagas Val, Rossini Correa, Alex Brasil, Roberto Kenard, Laura Amélia Damous, Lenita Estrela de Sá, Joe Rosa, Celso Borges, Fernando Abreu, Paulo Melo Sousa, Lúcia Santos, Eduardo Júlio, Ronaldo Costa Fernandes, Couto Correa Filho, Eudes de Sousa, Sônia Almeida, Dilercy Adler, César Willian, são alguns dos nomes cujo conjunto fazem uma poética não passível de redução: ora “marginal” e underground, concretista, neo ou semiconcretista, ora lírico-sentimental, ora metalinguística; poundiana; hierática; epigramática; hierofânica…

E esta outra geração (1990/2000…) que agora também exige com vigor seu lugar ao sol, começando com mais ou menos força sua obra, encontrando-se com outras, que hão de se encontrar com outras, sem que sejam necessariamente companheiros próximos ou que tenham a mesma origem, os mesmos fins, os mesmos meios, mas que são familiares às mesmas vozes e vivem mais ou menos as mesmas demandas socioculturais deste momento. Eclética, vai do telurismo existencial ao cosmopolitismo fragmentário, ou às neuroses íntimas e urbanoides.

Poetas, professores, artistas, ensaístas que surgiram em torno do Suplemento Literário Vagalume; em torno do bar do Adalberto; dos festivais de poesia falada ou do mundo acadêmico-universitário da UFMA, em torno das oficinas e recitais programados pelo poeta Paulo Melo; dos festivais do SESC; dos concursos da FUNC, em torno do Grupo Curare e do Carranca, que confluíram em riso na alegria dos domingos na da casa do jornalista Gojoba e do abraço gentil de sua esposa, Dona Graça; em torno do Concurso de Poesia Nascentes, da USP; do Poiesis ou da Vida é uma festa: Hagamenon de Jesus, Bioque Mesito, Natanílson Campos, Ricardo Leão, Dyl Pires, Antonio Aílton, Rosimary Rêgo, Jorgeana Braga, Geane Fiddan, José Neres, Dílson Junior, Mauro Cyro, Elias Rocha, Natinho Costa, Samarone Marinho, Jorge Leão, Danilo Araújo, Josualdo Rego, Reuben da Cunha Rocha, Bruno Azevedo, César Borralho, Mateus Gato e Daniel Blume, entre outros, e entre companheiros e companheiras que, não escrevendo, fizeram de sua companhia poesia pura.

Estas listas são, evidentemente, apenas listas, e têm um caráter relativamente didático, baseado mais ou menos nos círculos de produção, faixa de idade, etc. Na realidade, essa separação é muito tênue ou difusa. Exemplos claros disso são os casos de Couto Corrêa Filho, César Willian, Paulo Melo, para falar de alguns, que sempre estiveram também juntos com o último elenco.

“A cidade não está no homem/ do mesmo modo que em suas/ quitandas praças e ruas”, diz Gullar. A experiência coletiva do poético como experiência da liri-cidade e a experiência poética passada de geração a geração constituem-se num dos nossos maiores patrimônios imateriais que têm raízes no patrimônio material ludovicense, em sua atmosfera cultural e na fundação de uma tradição forte, que une, por um lado, a cultura popular que permaneceu pela força de muitos sacrifícios e, por outro, um lastro canônico ímpar, construído por intelectuais visionários, conforme aponta-nos Ricardo Leão em sua obra/tese Os atenienes: a invenção do cânone nacional (Paco Editorial,2012).

Neste espaço extraordinário, de velhos becos e ladeiras, azulejos e crepúsculos abissais, marinhos, nasce uma poesia única proporcionada por um lugar único, cujos habitantes se sentem tocados, invadidos pelo signo do poético. É nela que o poeta lamenta cada injúria, é nela que, como casa memorial de nossa linguagem, os poetas pedem em uníssono, com Tribuzi: “Ó minha cidade, deixa-me viver, que eu quero aprender tua poesia”.

Image

Um comentário sobre “POESIA NOS 400 – Os cabos de guerra da poesia da São Luís contemporânea

  1. Pingback: POESIA NOS 400 – Os cabos de guerra da poesia da São Luís contemporânea | ailtonpoiesis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s